quinta-feira, 4 de outubro de 2018

Análise: My Hero Academia 3ª Temporada

Com mais uma temporada, My Hero Academia consolida o seu lugar entre os melhores animes da atualidade. É impressionante o crescimento desta série ao longo de suas temporadas. O que inicialmente era uma história cliché com muitos aspectos retirados de outros Shonen do mercado, tornou-se agora uma narrativa própria com muito mais desenvolvimento e profundidade que muitos outros por ai.


Antes de começar a falar da temporada em questão, gostaria de relembrar as anteriores para que os pontos levantados em seguida sobre a atual estejam mais claros.

Quando tudo começou, o jovem Midoriya era um personagem pouco carismático, com pouco apelo ao público. Isto se devia principalmente pela falta de originalidade em sua personalidade, assim como em seu desenvolvimento. Ele podia ser comparado com personagens como Naruto ou Luffy em certos aspetos, além de outros protagonistas de Shonen. Além disso, a série em si não possuía nenhum aspecto que a diferenciasse ou a destacasse no emaranhado de animes. Para mim pelo menos, e o que fez com que eu continuasse vendo, era o personagem de All Might. Ele, acima de todos, era o que tornava aquela temporada "especial" e que prometia uma melhoria a longo prazo. A presença dele realmente era algo extraordinário. Tal como o Super-Homem dos cinemas com Christopher Reeve, All Might passava um sentimento de paz, felicidade e segurança. Os seus momentos são os mais marcantes da temporada, já que nem os vilões, nem os secundários e muito menos o protagonista chegavam aos seus pés.


Então, disto veio a segunda temporada. Agora já tendo prendido a atenção de um público maior que esperava grandes acontecimentos, os episódios já começam com uma promessa de grandes eventos. A história, desta vez, está bem conectada ao longo de todos os episódios, fazendo menções a personagens muito cedo que só aparecerão futuramente. Esta temporada, para mim, foi um marco de desenvolvimento de personalidades. Infelizmente, acho que não foi perfeita. Isto deve-se ao facto de na primeira não termos tido tanta proximidade com eles, fazendo assim com que os eventos não fossem tão impactantes. Porém, se algo funcionou para esta temporada foi o crescimento pessoal e de grupo para todos. Acho que isto nos preparou para o que veio na presente temporada. Quando se cria laços e ligações com os personagens, as histórias são muito mais envolventes e profundas.


Finalmente, chegamos no que é o assunto desta análise. A temporada, que de acordo com minha primeira frase, consolidou o anime como um dos melhores da atualidade. Eu sei que para alguns esta afirmação pode parecer um pouco equivocada. Realmente, My Hero não é um dos melhores animes que já assisti. Inclusive não acredito que esteja nem nos 20 melhores. No entanto, acredito que dentro dos que estão sendo lançados atualmente, é um dos melhores em termos de conseguir uma grande audiência e de criar bons personagens que (quase) todos conseguem gostar.

Nesta temporada tivemos momentos realmente marcantes. Isto não foi por causa da história em si, porque por este lado não há nada demais. O que fez com que houvesse partes que talvez lembremos por muito tempo é o facto de termos criado uma conexão muito maior com os personagens. Se certos eventos desta temporada tivessem acontecido mais para o início do anime, não haveria impacto nenhum. Eu gostaria muito de falar sobre um momento específico, porém teria de recorrer a spoilers, então talvez no final desta análise separe a questão num aparte.


Por fim, quero falar sobre a progressão de personagem. Se pararmos para observar, os personagens que conhecemos no início agora se tornaram completamente diferentes. Talvez não assim tão diferentes, pois ainda possuem núcleo que os mantém. No entanto, eles mudaram, cresceram, evoluíram e aprenderam. Com os seus erros e acertos, com os professores e amigos e com os heróis e vilões, cada alunos do primeiro ano que chegamos a conhecer tem um pensamento diferente. Midoriya que à pouco falei do quão detestável era, agora ganhou um espaço muito maior e parece-me bem mais maduro. Bakugo, talvez uma daqueles personagens que mais poderia ser destacado como um cliché, tem uma profundidade muito maior. Não quero que esta análise seja apenas os positivos. Ainda há diversos problemas com o anime. Nada é perfeito, e My Hero está longe de o ser. Muitos clichés ainda persistem, mas o que deixaram estes problemas serem menos vistos pela audiência é o quão divertido as histórias têm se tornado.

Terminarei dizendo que não acho que todos acabariam por gostar deste anime, porém, para aqueles que estão dispostos a tentar, a terceira temporada com certeza é um marco nesta história que espero apenas que cresça ainda mais.


Para os que quiserem ouvir minhas poucas palavras sobre um dos melhores momentos desta temporada (COM SPOILERS), pode continuar abaixo.


No intuito de demonstrar o que disse acima sobre a progressão dos personagens, quero comentar rapidamente sobre a incrível luta entre All Might e All For One nos episódios 10 e 11 da temporada. Primeiramente, o que já coloca essa luta em um patamar acima dos outros foi a construção da tensão desde a primeira temporada. Tivemos pequenos relances do vilão "principal" e do quão poderoso seria, até chegando a contar um pouco de suas origens conectadas a de Toshinori. Então, indo para esta luta, e para a introdução do personagem, sabíamos um pouco de suas capacidades. Ele foi o único que conseguiu ferir ao grande herói da série de uma forma absurda. Além disso, no episódio 9, All For One derrota diversos heróis, dentre eles um dos mais fortes, em meros segundos.



Tínhamos o hype, agora era necessário que se cumprisse de uma forma justa. Para não prolongar muito, vou falar apenas do desfecho, o qual foi o ápice da batalha e que impactou mais todos que assistiram. Quando All Might finalmente consegue dar o golpe final e derrotar o vilão, o que mais marca não é o facto apenas dele ter conseguido vencer. O que destaca este momento foi a utilização de palavras que demonstraram o desenvolvimento/crescimento do personagem. Diversas vezes ao longo da série, vemos All Might usando seus socos, dando-lhes nomes (Detroit, Delaware, Texas, entre outros nomes de cidades americanas). A finalização da batalha com o conjunto de tudo, nomeando o seu último golpe, o último momento que agiria como um herói de forma ativa, de United States foi marcante. Além de ser seguido por um pequeno momento de glória do personagem em frente às câmaras e de sua frase em referência ao Midoriya. Estes momentos que nos fazem continuar assistindo.

Sem comentários:

Enviar um comentário