quinta-feira, 14 de março de 2019

Crítica - Dragon Ball Super: Broly

     Aviso: Esta é a minha primeira crítica/análise. Não sou de modo algum perito em cinema pelo que o exposto corresponde à minha opinião e pode conter SPOILERS, por isso procedam pela vossa conta e risco!



     Para quem é fã da obra, Dragon Ball Super: Broly não desilude. Lutas, emoção, animação espetacular e na nossa versão portuguesa, as amadas pérolas. Tudo está lá.
     Ao nível da história, Dragon Ball Super: Broly pode ser dividido em 2 partes: o passado e o presente.
     A parte da história no passado, (na qual quase se pode verdadeiramente dizer que temos história) é muito interessante pois ficamos a saber mais do que realmente acontecia neste universo. Para exemplificar, vemos como eram as relações entre os Guerreiros do Espaço, a sua mentalidade, os seus comportamentos e como se relacionavam com o General Cold e com o Freezer.
     No presente a história é praticamente atirada para canto para dar lugar às lutas exuberantes que a partir do momento que começam praticamente só acabam no fim do filme. Não me estou a queixar, mas chega a um ponto em que é preciso descansar um pouco. Descanso este que acontece quando Goku e Vegeta fogem para fazerem a fusão (isto já não é considerado spoiler, pois não?).
Vegeta pela primeira vez em Deus Super Guerreiro fora do mangá | Imagem: IMDb
     A arte é sublime. Seja a nível do design de personagens, seja como as cores se integram no cenário, como as transformações são executadas (tem até direito a referência ao Ultra Instinto) ou às expressões dos personagens, o filme está uma pintura (só gostava de ter visto Goku e Vegeta mais musculados quando fogem para fazer a fusão mas nada de grave).
     A animação também está espetacular. Nem em Dragon Ball Heroes vimos algo tão bom como aqui. As lutas corpo a corpo, as explosões e as rajadas de ki que preenchem a tela estão brutais mas um pouco excessivas nalguns momentos.
Broly em Super Guerreiro | Imagem: IMDb
     Os personagens estão fiéis a si mesmos, o que claramente é bom. De destacar dois momentos do Freezer, o primeiro na sua apresentação aos Guerreiros do Espaço (no passado) e depois durante a luta entre Broly vs Goku e Vegeta que demonstram a sua génese. Goku e Vegeta que continuam iguais a como os conhecemos. Bulma idem aspas assim como Whis e Bills. Este que tem um novo trabalho neste filme para além de ser preguiçoso.
     Quanto aos "novos" personagens, Paragus é um pai com o qual não se sente empatia pela forma como educou o seu filho (como uma simples arma para executar a sua vingança) e pelas suas atitudes. Mas pelo menos a motivação que dão a ele e Broly é muito mais plausível do que nos filmes anteriores quando estes ainda não faziam parte do cânone da série. Por falar em Broly, nesta sua encarnação este apresenta uma certa parecença com Goku ao nível da sua inocência e por isso é muito mais relacionável do que o anterior Broly. E por isso é triste ver os momentos em que Paragus o trata abaixo de cão. Destaque ainda para ele conseguir manter a forma humana enquanto transformado em Oozaru, um conceito muito interessante (onde é que eu GT vi isto?). Já os realmente novos personagens, Lemo e Cheelai tem uma boa dinâmica mas Cheelai brilha um pouco mais, acho que pela sua jovialidade e pela maior energia e irreverência que mostra.
Goku em Super Guerreiro Azul | Imagem: IMDb
     O filme tem também os seus momentos divertidos e descontraídos como o (re)reencontro de Goku e Vegeta com Freezer, a "ligação" entre os desejos que Bulma e Freezer ião pedir ao dragão sagrado, a dança da fusão e as pérolas. Não estão em demasia e quando acontecem foram bem implementadas.
Broly pronto para voltar à luta | Imagem: IMDb
     E isto leva-nos ao trabalho de vozes dos atores portugueses que "só" foi o melhor alguma vez feita pela versão portuguesa em Dragon Ball (até hoje). E acreditem que eu não cresci a ouvir a nossa versão e por isso não tenho sentimentos nostálgicos em relação à mesma. Do pouco que vi, não gostei. Daí que apenas tenha conhecido realmente a nossa versão já no Dragon Ball Super e esta era até boa, mas havia algumas coisas a corrigir. Aqui não. Nem os gritos nem as novas vozes desiludem. Como vi em comentários de outros cibernautas, "ao princípio estranha-se mas depois entranha-se". Daí eu tirar o meu chapéu ao trabalho destes profissionais neste filme. Continuo a preferir o original mas a versão pt-pt está de parabéns.
Freezer a tentar defender-se dos ataques de Broly | Imagem: IMDb
     Para concluir, devo dizer que gostei de assistir ao filme e que apesar do fan service de trazer vários personagens adorados pelos fãs não se limitou a metê-los à sorte mas sim com uma intenção e de forma bem executada.
     Tenho a confiança de que até à volta do anime é só uma questão de tempo e creio que tal como os dois últimos filmes (Dragon Ball Z: Battle of Gods e Dragon Ball Z: Fukkatsu no F) este será adaptado. Só espero que não façam asneira.
Broly a aumentar o seu poder | Imagem: IMDb

Sem comentários:

Enviar um comentário